InicioPortugalAlto Douro VinhateiroCrónicas de uma caminhada pela abandonada Linha do Douro

Crónicas de uma caminhada pela abandonada Linha do Douro

PortugalAlto Douro VinhateiroCrónicas de uma caminhada pela abandonada Linha do Douro

|

|

|

As nuvens que surgiram no horizonte, com ar ameaçador, serviram para nos lembrar que a natureza, em todas as suas condições, nos envolve e nos acompanha a cada passada!

Chegámos a Barca D’Alva ainda cedo, percorrendo as curvas descendentes desde Figueira de Castelo Rodrigo. Há gente que chega, são muitos. Roupas coloridas, bastões, bananas e no rosto, essa bem espelhada vontade de domar a linha.

linha do douro - Barca D Alva - Pocinho-1

As curvas descendentes que levam a Barca D’Alva

A organização da caminhada é dos The Brave Ones, amantes das linhas e das máquinas. Nós viemos com um pequeno grupo da Guarda, uns, mais do que outros, habituados às botas, às mochilas e a muitos quilómetros nas pernas.

E vão ser necessárias pernas, muitas. Afinal, serão 29 km desde Barca D’Alva até ao Pocinho, sempre tendo a linha do Douro como companhia.

linha do douro - Barca D Alva - Pocinho-3

Túnel de Castelo Melhor, um dos vários que vencem as arribas que se erguem nas encostas do douro.

Em jeito de bênção sentimos duas pingas a tocar-nos a pele, para logo o sol inundar as vistas das centenas de caminhantes que em modo suicídio coletivo se atiram para a linha e, ainda que acabem com vida as mazelas e os pés doridos, serão apenas danos colaterais que nos lembrarão que não há beleza que escape aos aventureiros.

Do outro lado do rio funciona já funciona o roaming e fala-se outra língua, a ponte ferroviária do Rio Águeda serve de aquecimento para os quilómetros que se avizinham. E o túnel em que acaba escuro e sombrio serve de mote para propor ideias de uma nova aventura, que possivelmente e em breve vos iremos contar.

linha_2

O atraso do inicio do percurso, fará recordar os anos idos em que comboios sucumbindo à dura viagem retardavam encontros e despedidas, onde em estações se aguardava a chegadas e se matavam as saudades dos que ficaram.

A linha vai-se revelando e o seu estado de abandono em evidente, a vegetação tomou conta dos carris em toda a sua bitola. Os barrotes, alguns já desfeitos, foram consumidos pelas agruras do tempo, ficando soterrados numa calma evidente.

linha do douro - Barca D Alva - Pocinho-31

É uma dor de alma ver esta linha assim, deitada ao abandono. É uma dor de alma saber que não é caso único, que aconteceu o mesmo com a Linha do Corgo, do Tua, do Sabor e por aí fora….

tuneis e pontes

As antigas estações, a de Barca D’Alva, Almendra e Castelo Melhor, abandonadas e isoladas revelam os vestígios do tempo em janelas e porta partidas, soalhos esburacados e paredes derrumbadas! Hoje nelas se servirão as merendas que carregamos às costas para que depois voltem ao desleixo que as acompanha.

02 - Estação de Barca D Alva e suas paisagens

O percurso, embora plano é sinuoso, a passada interrompida a cada metro por um novo obstáculo, dificulta as conversas, tornando-nos ofegantes, os pés sofrem no calcar da brita, na dureza do solo irregular.

Paulatinamente os caminheiros e viajantes que por aqui passam vão deixando carreiros, mas será um esforço inglório perante a força implacável da natureza que, a pouco e pouco, se vai apoderando da linha, ou do que resta dela.

O nosso almoço serviu-se na estação de Almendra, depois de 10 km percorridos. Seguimos de passo firme agarrando a paisagem nas lentes das máquinas e no visor do telemóvel, pois a memória é fraca para recordar tudo.

linha do douro - Barca D Alva - Pocinho-40

Chegamos a Foz Côa, sabendo que 9 longos quilómetros nos separam do Pocinho, por isso os mais resistentes seguem. Os outros poderão terminar por ali e descansar um pouco mais cedo. Nós continuamos. É cada vez mais difícil esta parte do percurso, onde os pés resvalam nas pedras do caminho e onde os olhos se colam no chão escolhendo melhor onde poisar os pés, minorando os danos.

Mas não há esforço que não dê em glória e, por volta das 8, a estação do Pocinho é invadida pela multidão.

chegada ao Pocinho

É preciso relembrar às gentes que a linha está ainda está viva e pulsa de adrenalina, enquanto maravilha curiosos e os amantes da natureza. Os cafés enchem-se de gente e de pernas cansadas que buscam consolo num petisco saboroso ou numa bebida fresca.

Todas as fotografias da caminhada

Se quiser dar uma olhadela nas fotos que tirámos quando andámos a percorrer estes trilhos, estão todas aqui, no Facebook e num álbum do Google Photos.

Filme

(brevemente)

| Leia também |

> O percurso a pé entre Barca D’Alva e o Pocinho (o trilho, todas as dicas, distâncias, fotos e muito mais…)

O percurso a pé entre Barca D’Alva e La Fregeneda (BREVEMENTE)

> Uma perspectiva diferente do Douro, através da Embarcação Senhora da Veiga

 

os meus trilhoshttps://osmeustrilhos.pt
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

3 COMENTÁRIOS

  1. É possível ver alguma linha de comboio sem fazer o trilho e andar muito a pé , para pessoas com pouca mobilidade? Obrigada

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here

Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

Must Read