InícioViagensAsiaCarreira da Índia

Carreira da Índia

ViagensAsiaCarreira da Índia

|

|

|

Crónicas de uma aventura pela Índia, contada a dois, por Sérgio Lopes e Sandra Saraiva

A Índia é um país único, ou melhor um sub-continente. É um local onde tudo pode acontecer, mas também onde tudo, mas mesmo tudo, tem sempre uma solução. Entre comboio, autocarro, riquexó, metro, barco, etc… fizemos mais de 5 mil km, comemos e dormimos em sítios estranhos e por onde passámos encontrámos gente genuína, fizemos amigos e fomos falando de Portugal… (país que muita pouca gente conhecia).

Siga aqui as nossas crónicas de viagem: no Facebook    |     na Revista Visão

[crónicas de viagem]

1 – Destination: Índia

A Índia. Dentro de alguns dias andaremos por esse país enigmático e colorido. Vai ser bom voltar a sentir a Ásia por baixo dos pés, andar à deriva, confiar nos ditosos ventos do oriente. <<continuar a ler>>

2 – Namastê Índia

É verdade que Nova Deli não é a Índia, mas é sem dúvida a porta de entrada para milhares de viajantes que a descobrem e se emaranham nas suas ruas e becos caóticos, onde frenéticos riquexós buzinam num constante zumbido que nos envolve e atordoa. Fomos assim acolhidos no nosso novo mundo. <<continuar a ler>>

3 – Deambulando por Nova Deli

Na Índia, não temos que nos preocupar em encontrar um riquexó, um guia ou um táxi, quando precisarmos deles, eles lá estarão. Quando saímos da estação de metro, chovia copiosamente. Apesar de estarmos no final da monção, esta ainda aparecia esporadicamente, mas com chuvas diluvianas. Enquanto olhávamos em redor e esperávamos que o tempo amainasse, logo se abeirou um condutor de riquexó oferecendo os seus serviços. <<continuar a ler>>

4 – Nos últimos passos de Gandhi (Nova Delhi)

Gandhi Smriti não é um lugar turístico, nem tão pouco um lugar bonito. É um lugar simples, de recolhimento, é um lugar de memórias. Na manhã do dia 30 de janeiro de 1948, Gandhi, a grande alma, deu os últimos passos sobre a terra, nesta terra. Enquanto se dirigia ao local de oração foi assassinado por Nathuram Godse, um hindu radical que o acusava de enfraquecer o país. <<continuar a ler>>

5 – A velha delhi

 Numa cidade com muitos milhões de habitantes e milhares de riquexós, encontrar o senhor sikh de turbante branco do dia anterior, foi como encontrar uma agulha num palheiro. Saudámo-lo ao longe e seguimos para “old delhi”. <<continuar a ler>>

6 – Ao sabor do tempo e do templo dos Sikhs

Depois de Chandni Chowk, do caos e das ruas estreitas. Depois dos carros, dos riquexós e das motas engalinhadas. Depois dos mapas deixarem de fazer sentido. Depois de 700 km… Chegámos a uma espécie de oásis indiano, chegámos a Amritsar, cidade santa dos Sikhs. <<continuar a ler>>

7 – Fronteira… com o Paquistão!

Não temos de nos preocupar. Mais uma vez, aquilo que procuramos encontra-nos e advinha os nossos planos. Há dezenas de oportunidades de ir de táxi até à cerimónia de Waga Border, perto de Lahore. Resta-nos aceitar a oferta que parece ser a mais acessível e próxima dos valores que nos foram aconselhados. <<continuar a ler>>

8 – Em Varanasi, no rio que leva a vida!

O Rio Ganges acordou tranquilo, com o sol a tentar romper por entre um gigantesco manto de nevoeiro. Depois de 24h num comboio, percorrendo os 1150km que separam Amritsar de Varanasi, o quarto do Hostel está tão perto do paraíso. <<continuar a ler>>

9 – Jaipur, no reino dos Marajás

Há muitas histórias sobre a cidade cor de rosa. Todas envolvem o amor, o glamour e a paixão oriental. A história que Charouk nos conta, enquanto atravessamos a ‘porta nova’ da cidade, tem todos estes ingredientes e uma bela donzela ocidental a quem o marajá prometera pintar a cidade de cor de rosa.. <<continuar a ler>>

[preparação da viagem]

Como requerer um visto para a Índia

Cuidados de Saúde – Vacinação

os meus trilhos
os meus trilhoshttps://osmeustrilhos.pt
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

2 COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

os meus trilhos
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

Must Read