InícioViagensAsiaNos últimos passos de Gandhi (Nova Delhi)

Nos últimos passos de Gandhi (Nova Delhi)

ViagensAsiaNos últimos passos de Gandhi (Nova Delhi)

|

|

|

Carreira da Índia

Crónicas de uma aventura pela Índia, contada a dois, por Sérgio Lopes e Sandra Saraiva

Gandhi Smriti não é um lugar turístico, nem tão pouco um lugar bonito. É um lugar simples, de recolhimento, é um lugar de memórias.

Na manhã do dia 30 de janeiro de 1948, Gandhi, a grande alma, deu os últimos passos sobre a terra, nesta terra. Enquanto se dirigia ao local de oração foi assassinado por Nathuram Godse, um hindu radical que o acusava de enfraquecer o país.

Ghandi Smriti

Foi aqui que Ghandi passou os últimos 144 dias da sua vida e ao pensarmos nisso não conseguimos disfarçar o arrepio que gela o corpo. Calam-se as buzinas e em cada canto do jardim, em cada banco, em cada porta se sente a evocação da sua memória.

Descalços, sobre a humidade matinal que ainda cobre o chão, seguindo os próprios passos de Ghandi, fazemos lentamente o caminho que ele também percorreu naquela manhã fatídica. Desde o local onde estava alojado, onde tinha os seus poucos pertences, até ao local da sua morte vão duas dezenas de metros. Aqui foi erguida uma coluna, no exato local onde o Pai da Nação, como orgulhosamente é chamado, morreu…

Ghandi Smriti
A coluna do mártir, marca o exacto local onde Gandhi foi assassinado.

O homem, que lutou até à morte pela não-violência, viria a ser morto da forma mais cruel, com uma arma de fogo à queima-roupa.

Se é verdade que a grande alma deu tudo por esta terra, esta terra tem-lhe prestado a justa homenagem. Ghandi é uma pessoa querida entre os indianos e é recordado com saudade genuína.

À procissão fúnebre, desde o local da sua morte até Rāj Ghāt, onde foi cremado segundo os costumes hindus, acorreram cerca de dois milhões de pessoas.

Ghandi Smriti

Mais do que tudo, prestamos a nossa homenagem ao Homem imenso e recordamos que uma vez disse, “Não quero que minha casa seja cercada por muros de todos os lados e que as minhas janelas estejam tapadas. Quero que as culturas de todos os povos andem pela minha casa com o máximo de liberdade possível” e que assim nos recebe naquela que foi a sua derradeira morada.

Saímos com a certeza da grande dívida que o mundo tem para com Ghandi, para com os seus ensinamentos. Lutou toda a vida por um mundo onde todos fossem tratados da mesma forma, um mundo sem violência, um mundo onde “todos os homens são irmãos”.

Ghandi Smriti

Acompanhem os nosso passos em:

https://osmeustrilhos.pt | www.facebook.com/osmeustrilhos

 

os meus trilhos
os meus trilhoshttps://osmeustrilhos.pt
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>
Artigo anterior
Próximo artigo

6 COMENTÁRIOS

  1. Não temos comentado mas temos acompanhado com muita atenção e curiosidade este vosso periplo pela India. Estamos a ostar muito!
    Abraços e continuação de bom trabalho

  2. aiiiiiiiii primaços, que fotos bunitinhas..!!! até sinto o cheiro através das cores…
    beijos do coração!
    Joana

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

os meus trilhos
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

Must Read