InícioParques NaturaisPN Peneda GerêsTrilho de Pitões das Júnias, um percurso espetacular no Gerês

Trilho de Pitões das Júnias, um percurso espetacular no Gerês

Parques NaturaisPN Peneda GerêsTrilho de Pitões das Júnias, um percurso espetacular no Gerês

|

|

|

Estamos em Pitões das Júnias e aqui há um trilho espetacular que nos leva a conhecer um dos mais icónicos lugares do Parque Nacional Penêda-Gerês, é o trilho que liga a aldeia ao Mosteiro de Santa Maria das Júnias e à cascata de Pitões das Júnias. Venham daí.

Cascata de Pitões das Júnias @osmeustrilhos

Depois de uns dias de chuva neste quase início de Verão, a manhã de Domingo acordou solarenga e o ar límpido. Estamos em Requiás, em Espanha. Nos dias anteriores andámos à descoberta do concelho de Melgaço, Lamas do Mouro e Castro Laboreiro. O plano era regressar à Guarda, mas como estávamos tão perto de Pitões das Júnias, porque não voltar novamente a esta que é uma das aldeias mais genuínas e mais altas de Portugal?

A aldeia de Pitões das Júnias @osmeustrilhos
Panorâmica de Pitões das Júnias

O clima inóspito no Inverno e a consequente imigração contribuíram para que a aldeia mantivesse sua pequena população e o aspecto medieval. As casas de pedra são um dos grandes ícones desta pequena aldeia.

Um erro no fuso horário e levou-nos a Pitões das Júnias mais cedo do que o planeado. Quase toda aldeia dormia, com exceção do Café Central, onde bebemos um café e comemos uma sande de queijo e nos preparámos para uma caminhada até à cascata e depois ao Mosteiro de Santa Maria das Júnias, usufruindo das belas paisagens do Gerês.

Trilho para a Cascata de Pitões das Júnias

Já de barriguinha cheia, e depois de uma volta matinal pela aldeia, seguimos em direção ao Cemitério da aldeia onde começa o percurso de cerca de 4 km, que desce em direção ao Mosteiro de Santa Maria das Júnias, passando pela Cascata e terminando na aldeia.

Já aqui havíamos estado em 2007, e na altura, bem mais leves, fizemos o trilho na sua totalidade. Hoje, optámos por estacionar o carro um pouco mais abaixo e encurtar o percurso. Vamos apenas fazer o percurso até à cascata, voltar e depois descer ao mosteiro. Os 4km de sobe e desce (principalmente o trecho que vai até à cascata) tornam-se mais exigentes se levamos um rapaz com mais de uma dezena de kg às costas. Sim, porque o Simão adora andar na mochila, o rapaz sente-se um rei lá em cima, a ver tudo lá bem do alto e se for com um embalozito, melhor ainda, mas as nossas costas já se ressentem do peso dele e da nossa idade.

O sérgio e o Simão em Pitões das Júnias @osmeustrilhos
O Simão às costas do Pai, na chegada à Cascata de Pitões das Júnias

Vamos primeiro à cascata. Está um dia maravilhoso para caminhar. Nem frio nem calor. O Simão, às costas do pai, acha o mesmo. Ri-se como um desalmado, gosta deste ar fresco, só pode.

Depois de uns minutos por um caminho rural, passamos uma levada e entramos numa espécie de passadiço, só que quase sempre com escadas e a descer. Bem, a descer todos os santos ajudam, será que existe alguma divindade que nos vá auxiliar na subida? Bem vamos precisar…

Terras do Barroso Pitões das Júnias @osmeustrilhos
A Sandra contemplando as terras do Barroso, no passadiço que leva à Cascata.

Há miradouros melhores do que estes? A paisagem é fantástica, estamos no coração das terras do Barroso, que se entendem até onde a vista já não alcança. A chuva dos últimos dias levou a paisagem e deixou os carvalhos com um verde luxuriante. Há dias que vale a pena sair de casa.

Cascata em Pitões das Júnias @osmeustrilhos

A Cascata de Pitões das Júnias é uma queda de água com mais de 30 metros. As águas do Ribeiro de Pitões precipitam-se em vários patamares criando fantásticas quedas de água. Nesta altura do ano a cascata não é tão imponente como no inverno, quando o caudal do ribeiro aumenta consideravelmente, ainda assim vale a pena o esforço.

Podemos apreciar a belíssima cascata do Miradouro da Cascata do Trilho de Pitões das Júnias.

Cascata de Pitões das Júnias @osmeustrilhos
Alguns caminhantes que encontrámos pelo caminho e que apreciam a paisagem escarpada das terras do Barroso.

O regresso foi mais exigente. O que descemos agora temos de subir. Degrau a degrau, e com as costas do Pai feitas num oito, lá chegámos…

Passadiço de acesso à cascata em Pitões das Júnias @osmeustrilhos

O Mosteiro de Santa Maria das Júnias

Pegámos no carro e estacionámos um pouco mais acima, mais uma vez, encurtando um pouco o percurso. Agora cabe à mãe transportar a Mochila com o pequeno lá em cima. A esta hora do dia o sol já aqueceu e começam a chegar alguns turistas e caminhantes.

Metemo-nos ao caminho, lentamente. Em poucos minutos, por um caminho de cascalho e pedras, ladeado por um manto de maias coloridas, estamos nas margens do Rio Campesino, que ainda sulca com força estes terrenos graníticos.

Pitões das Júnias @osmeustrilhos
Chegou a vez do Simão, às costas da Mãe, conhecer Mosteiro de Santa Maria das Júnias

Mesmo ao lado, ergue-se o Mosteiro de Santa Maria das Júnias. É um mosteiro em ruínas e quase esquecido, encaixado no vale onde no final da primavera as maias e a urze pintalgam toda a paisagem.

Toda o complexo é visitável, com excepção da capela e do cemitério. É necessário ter atenção às ruínas, não vá alguma pedra desprender-se.

Mosteiro em Pitões das Júnias @osmeustrilhos

Aqui há resquícios de claustros perfeitos, paredes que escondem estórias de então. Perdemo-nos entre as ruínas. O tempo fresco não convida a banhos, mas as águas cristalinas do rio Campesino são o chamariz para os dias quentes de Verão.

Mosteiro de Santa Maria das Júnias - Pitões das Júnias @osmeustrilhos
Mosteiro de Santa Maria das Júnias

Na outra margem do Rio, passando por uma ponte que conta já muitas primaveras, temos um moinho movido a água. Enquanto a mãe já vai regressando, o pai termina de fotografar o mosteiro, enquanto o Simão, quase indiferente a tudo, dá já sinais de quem precisa de dormir uma soneca. Regressemos sem demora, não queiram ver o rapaz com sono.


Informações gerais sobre o Trilho de Pitões das Júnias

  • Local de partida: Junto ao cemitério de Pitões das Júnias
  • Local de chegada: Aldeia de Pitões das Júnias
  • Extensão aproximada: 4 km
  • Duraçã média: 2 h
  • Dificuldade: Média (partes do percurso possuem piso muito irregular, pelo que não é aconselhado a crianças, idosos ou pessoas com dificuldades de locomoção).
  • Altitude máxima:1132 m; Altitude mínima: 950 m
  • Época aconselhadaQuando ir: Primavera e Outono (no Verão as temperaturas podem ser muito elevadas e no Inverno os afloramentos podem estar cobertos de neve).
  • Mapa: descarregue o Mapa do trilho no site do ICNF.

Onde dormir em Pitões da Júnias

Pitões das Júnias é uma aldeia de montanha, por isso os alojamentos que vai encontrar são alojamentos em espaço rural, grande parte deles com excelentes comodidades. Há algumas excelentes opções, basta pesquisar no Booking. Mas estas são as nossas sugestões:

Um dos mais famosos é a Casa do Preto, com uma pontuação de 9.4 no Booking. Reserve com antecedências porque é uma das opções mais procuradas pelos visitantes. Outros hotéis de referências são a Casa da Fonte  e a Casa D’Campo Ferreira, ambos com excelente relação preço/qualidade.

Se preferir ficar do outro lado, em Espanha, tem a Casa Requias, gerida por um casal super simpático que falam muito bom português. Tem apartamentos completamente equipados e excelentes vistas para o Embalse de Salas, em no Parque Natural Baixa Limia Serra do Xures .

Nota: pode reservar o seu alojamento utilizando os links acima. Para si é igual, mas para nós é uma grande ajuda. Não paga mais e está a ajudar o nosso blog.


Mais lugares para descobrir o Gerês

Parque Nacional Peneda-Gerês é um dos locais mais genuínos em Portugal. É um misto de natureza e tradição. Descobre neste artigo os melhores lugares a visitar no Gerês


Galeria de Fotografias do Trilho de Pitões das Júnias (clicar para abrir)

os meus trilhos
os meus trilhoshttps://osmeustrilhos.pt
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

os meus trilhos
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

Must Read