InícioPortugalAlto Douro VinhateiroVila Real de Camilo Castelo Branco

Vila Real de Camilo Castelo Branco

PortugalAlto Douro VinhateiroVila Real de Camilo Castelo Branco

|

|

|

Que Camilo Castelo Branco é um dos vultos da literatura portuguesa, todos sabem. Que o“Amor de Perdição” é um marco na literatura, também é comummente aceite. Agora, contudo, só alguns são sabedores da passagem deste agitador de corações pelas terras do lado de cá do Marão (Vila Real, Samardã e Vila Pouca de Aguiar). Então vamos ver a Vila Real de Camilo Castelo Branco.

camilo_castelo_branco_desenho
"À distância duma légua de Vila Real estava a nobreza da vila esperando o seu conterrâneo. Cada família tinha a sua liteira com o brasão da casa. A dos Correias de Mesquita era a mais antiquada no feitio, e as librés dos criados as mais surradas e traçadas que figuravam na comitiva.
D. Rita, avistando o préstito das liteiras, ajustou ao olho direito a sua grande luneta de oiro, e disse: — Ó Meneses, aquilo que é? — São os nossos amigos e parentes que vêm esperar-nos. — Em que século estamos nós nesta montanha? — tornou a dama do paço. — Em que século?! O século tanto é dezoito aqui como em Lisboa. — Ah! sim? Cuidei que o tempo parara aqui no século doze..." “Amor de Perdição” – Camilo Castelo Branco22

Gostamos de vaguear pelas ruas estreitas do centro histórico de Vila Real, por estas vielas austeras e que nos lembram a idade média. Quem se passeia por aqui, há de notar, mais ou menos a meio da Rua Camilo Castelo Branco (antigamente, Rua da Piedade) uma casa senhorial, brasonada. É Casa dos Brocas, um solar do Séc. XVIII que hoje é apenas uma sombra da imponência e importância que teve outrora.

Casa dos Brocas, mandada construir pelo avô de Camilo Castelo Branco
Casa dos Brocas, mandada construir pelo avô de Camilo Castelo Branco

A Casa dos Brocas foi mandada construir pelo Dr. Domingos Correia Botelho, avô de Camilo e onde o escritor passou uma parte da sua vida.

O apelido “Castelo”, mas acima de tudo “Botelho”, é bastante comum em Vila Real. O avô de Camilo era de Vila Real, assim como o seu padrinho de batismo. Apesar do nosso escritor ter nascido em Lisboa na rua das Rosas, em 1830 “assenta-se” em Vila Real, onde o pai foi colocado como responsável pelos correios. Durante a sua estada em Vila Real estudou no liceu da cidade, agora chamado, de liceu Camilo Castelo Branco.

Liceu Camilo Castelo Branco, em Vila Real
Liceu Camilo Castelo Branco, em Vila Real (na Primavera)
Liceu Camilo Castelo Branco, em Vila Real - Outono
Liceu Camilo Castelo Branco, em Vila Real (no Outono)

Aqui viveu entre 1836 e 1839. Quando a sua irmã Carolina, mais velha do que ele quatro anos, casa e se muda para Vilarinho da Samardã, Camilo Castelo Branco acompanha-a para aquela localidade próximo da cidade.

É em Vila Real que o génio irreverente e provocatório de Camilo se revela. Depois de um breve romance com uma donzela da época, Patrícia Emília de Barros, Camilo foge para o Porto e acaba na prisão: vê pela primeira vez “o sol aos quadradinhos”.

Vila Real era demasiado pequena para ele. Como diz D. Rita, em Amor de Perdição, “Cuidei que o tempo parara aqui no século doze”. Camilo inspirou por estes lados, e em quase todos por onde passou, antipatias e inimizades e, em setembro de 1848, abandona a cidade e muda-se para o Porto, onde vai viver as suas maiores aventuras, os seus amores e a sua buliçosa juventude ligada aos jornais e à vida de boémia.

Mais informação sobre Camilo Castelo Branco em Vila Real:

os meus trilhos
os meus trilhoshttps://osmeustrilhos.pt
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

1 COMENTÁRIO

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

os meus trilhos
Somos uma família apaixonada… apaixonada pelo mundo e pelas viagens, sejam elas curtas ou longas. Mas a maior das viagem começou há pouco, quando à equipa se juntou o pequeno Simão. Durante uma parte do ano vestimos as capas de dois burocratas do funcionalismo público, na outra, metemos a mochila às costas, pegamos no Simão, e vamos por aí… ver com outros olhos, conhecer o mundo, conhecendo-nos cada vez mais a nós próprios. Adoramos grandes aventuras por lugares longínquos, mas também gostamos de pegar no carro e andar por aí, sem destino. E porque a viagem não acaba nunca, como dizia Saramago, depois da viagem passamos tudo para aqui: textos, fotos, vivência, enfim… a nossa viagem! Um pouco de tudo num blog que é da Guarda para o mundo! Tudo sobre nós >>>

Must Read